Como eu já disse nos posts anteriores, eu tenho fibromialgia desde 2018. Na época eu não sabia o que era e tive que fazer várias pesquisas para descobrir. De lá para cá, já ouvi as pessoas comentarem mais sobre o tema, mas infelizmente, tem muita gente que ainda não tem noção do que é isso e até que isso exista. Pensando nisso e para poupar você de pesquisar, vou colocar nesse post as informações mais relevantes que encontrei desde que me vi com a “fibro” e sim, é dessa forma carinhosa que eu e muitos outros que possuem ou conhecem a chamam e que vou me referir muitas vezes aqui nesse blog.

O QUE É A FIBROMIALGIA?

É uma doença reumatológica que causa dor crônica, e generalizada, principalmente nos tendões e articulações. É uma síndrome que está relacionada ao funcionamento do sistema nervoso central e ao mecanismo de controle de dor, ou seja, imaginando que esse mecanismo de controle de dor seja um botão, é como se o mesmo estivesse descalibrado ou quebrado e por alguma razão ainda desconhecida, ele apontasse para dor mesmo sem ter nenhuma razão para tal. Estudos mostram que o cérebro de quem tem fibro interpreta os estímulos de dor de maneira mais intensa. Isso quer dizer que a dor de quem sofre de fibro é menor ou invenção? Claro que não! Pode apostar que a dor é bem real! Já foram feitos estudos que comprovam que a dor é real e legítima, só não sabem dizer o porquê de isso ocorrer, até então.

Na maioria dos casos a fibro atinge mais as mulheres, e apesar de muitos lugares coloram uma faixa, eu não colocarei aqui, pois no meu caso eu comecei com 24 anos, abaixo da faixa estipulada. Apesar de não ser tão conhecida, a fibro é um problema bastante comum, estando presente em 2% a 3% da população brasileira.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS?

A fibro possui muitos sintomas, portanto eu abordarei os mais usuais e o que eu tenho, caso você apresente outros que eu não falei por aqui, por favor deixe um comentário.

  • Dor no corpo

Dor generalizada no corpo, dor crônica, dor que muda de lugar com o dia é o sintoma mais comum e importante da fibro. Mas tem um detalhe, para ser considerado fibromialgia, essa dor tem que permanecer por 3 meses ou mais, podendo mudar de lugar durante esse período e não tendo nenhuma causa associada, como por exemplo, exercícios físicos, artrose, tendinite ou outros. Normalmente não dá para dizer quando e onde começou a dor, só sabe-se que ela está lá e não sai. A dor costuma aumentar de manhã e/ou a noite, no meu caso é a noite mesmo. A dor costuma ocorrer entre os músculos e os ossos, por isso analgésicos normais não adiantam, e olha que eu tentei uma porção deles, se eu soubesse isso logo no início eu teria economizado uma grana.

  • Sensibilidade ao toque

Em dias de crise ninguém pode encostar em mim, basta um simples toque para tudo doer e dar vontade de chorar de dor. Pode haver inchaço ou não, no meu caso, depende do dia, mas o que mais incha são meus pés.

  • Alteração do sono

É um sintoma bastante comum entre os fibromiálgicos, podendo haver um aumento ou diminuição de sono. Pode ocorrer insônia e é normal acordar mais cansado do que quando foi dormir. Parece que nunca dá para descansar e isso ocorre porque a fibro dificulta a capacidade de manter um sono profundo. Essa falta de sono reparador te deixa com sono durante o dia e aumenta sua fadiga. Nunca tive problemas para dormir antes, agora só consigo dormir direto com remédio, senão eu acordo direto e tenho vários pesadelos. Os pesadelos eu já não sei se tem algo a ver com a fibro ou não, só sei que aumentou bastante de 2018 para cá.

  • Fadiga

Esse sintoma também é bastante comum na fibro e não é somente pela falta de sono reparador. Tudo cansa mais. Algo que você fazia em 1 hora vai precisar de 2h agora, por exemplo, pois seu corpo não aguentará, e com certeza precisará de mais pausas entre as tarefas, pois como eu disse, seu corpo não aguentará. Essa fadiga também atrapalhará seus exercícios, pois por mais que seja importante fazê-los, o seu corpo não aguentará como aguentava antes. É um triste fato!

  • Depressão

Esse é um tema delicado, pois a fibro pode gerar depressão e a depressão pode gerar fibromialgia. Eu, no caso, tenho os dois e não sei o que começou primeiro. Só sei que um piora o outro e quando eu tenho crise de um, o outro aparece também. Segundo estudos, a metade das pessoas que tem fibro tem depressão também. Não falarei muito desse tópico aqui pois terá um post só para esse debate.

  • Alteração de memória, atenção e concentração

Apesar de sempre sofrer com pouca memória, minha concentração era impecável e nunca sofri com isso antes da fibro. Porém veio a fibro e lascou com tudo. Minha concentração hoje em dia é frágil, e preciso lutar para me manter concentrada. Mas se tranquilize pois não é nenhuma lesão cerebral e sim o corpo priorizando e dedicando toda a sua energia para a dor que você está sentindo ao invés de dedicar energia para concentração por exemplo.

  • Intestino Irritável

Cerca de 60% das pessoas com fibromialgia apresentam alterações intestinais e dor abdominal. No meu caso, tive uma diminuição do meu ritmo intestinal, porém eu tenho intolerância ao glúten e quando estou em crise, meu intestino inflama e me dá dores. Portanto não tenho muito a dizer sobre esse tópico.

  • Dor de cabeça

É comum que a fibro gere dor de cabeça, uma vez que ela gera dor em todas as partes do corpo. De vez em quando tenho minhas dores, mas não com tanta frequência.

COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO?

 Até o presente momento não existe um exame laboratorial específico que identifique a fibromialgia. A doença não possui nenhum marcador biológico. Basicamente é feito exames com a intenção de descartar outras doenças com sintomas parecidos ou iguais da fibro juntamente com uma análise clínica feita pelo médico. Normalmente é o reumatologista quem identifica e trata. Ele analisa seu histórico, seus exames, suas queixas e verifica dois quesitos:

1 – Se sua dor persiste por 3 meses ou mais e

2 – Se possui a presença de pontos dolorosos na musculatura (pontos esses, 18 no total, já pré-estabelecidos). Não precisa ser de todos os pontos.

TEM CURA? COMO É FEITO O TRATAMENTO?

Não, assim como outras doenças crônicas, a fibromialgia não tem cura. Mas não é por causa disso que temos que nos render a ela e viver com dor. Existem tratamentos que visam diminuir a dor e os sintomas, melhorando a sua qualidade de vida. O ideal é combinar tratamento medicamentoso com tratamento psicológico e com exercícios físicos. Existem diversos tratamentos alternativos que auxiliam no conforto de quem tem a doença. É importante ressaltar que o tratamento varia de pessoa para pessoa e o que pode me ajudar pode não fazer o mesmo efeito em você. Não entrarei em detalhes pois também dedicarei um post só para tratamento.

O QUE CAUSA A FIBROMIALGIA? COMO PREVENIR?

A medicina atual ainda não sabe o que causa a fibromialgia e como não tem muitas informações sobre o assunto também não se sabe como prevenir. A única dica que posso dar é tentar ter uma vida mais saudável possível e apresentando quaisquer sintomas procurar um médico.

Sobre o autor

Kelly Cardoso é da cidade do Rio de Janeiro formada como Técnica em Química e iniciante em Web Designer. Lidando com a depressão, ansiedade e a fobia social desde a infância, descobriu que possui fibromialgia e intolerância ao glúten desde 2018. Adora aprender coisas novas e testar novas técnicas para melhorar a sua qualidade de vida. Busca aprender a se amar um pouco mais a cada dia e dividir sua experiência com outras pessoas que estejam passando ou conheça quem passe por situações desse tipo. No seu tempo livre gosta de ler, assistir filmes e séries, costurar, e se dedicar ao seu canal de games no youtuber.

Você também pode gostar:

1 comentário

Deixe um comentário para Jaqueline Borges Cardoso Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.